O Conselho Regional de Química da 2ª Região – Minas Gerais (CRQ-MG) analisa a atuação dos profissionais da Química responsáveis pela linha de produção da cervejaria Backer, de Belo Horizonte, que produzia a cerveja Belorizontina – investigada por ter levado à intoxicação de 29 pessoas (oito delas morreram). O CRQ de Minas Gerais atua em colaboração com a Polícia Civil, que concluiu o inquérito sobre o caso na semana passada, após cinco meses de apuração.

A remessa do inquérito concluído para o CRQ mineiro já foi solicitada. Em nota lançada na quarta-feira (17/06), o presidente do CRQ-MG, engenheiro químico Wagner Pederzoli, relata que desde o início o conselho acompanha a ação conjunta sobre o caso, envolvendo a Vigilância Sanitária de Belo Horizonte, Ministério da Agricultura e a Polícia Civil. Na ocasião, o conselho de química realizou diligências nas instalações da Backer.

Ainda em 20 de janeiro, o CRQ-MG abriu Processo Administrativo Ético Disciplinar (PAED). Já foi também designada uma Comissão Ética Profissional, integrada por três conselheiros regionais e que as sindicâncias já estão em curso. O CRQ aguarda agora pelo inquérito concluído para dar andamento às apurações sobre as responsabilidades dos profissionais da Química no caso.

“O Sistema CFQ/CRQs atua em quatro grandes áreas, ensino, pesquisa, tecnologia e engenharia. Há 64 anos atuamos em favor da sociedade, fiscalizando o exercício profissional”, assinala Pederzoli.


LEIA A NOTA DO CRQ-MG SOBRE O CASO


MESMA MATÉRIA NO CFQ