Institucional
Notícias

A ideia de nacionalidade e o desenvolvimento da Química no Brasil

Artigo da nova edição da revista Ciência & Cultura discute o longo percurso de dois séculos da ciência no País.

Artigo da nova edição da revista Ciência & Cultura discute o longo percurso de dois séculos da ciência no País.

Medicamentos, alimentos, bebidas, cerâmica, produção e uso de materiais diversos, como pólvora e pigmentos. A Química sempre esteve presente na vida humana, desde as culturas mais remotas, como conhecimento prático. Entretanto, a Química científica como a conhecemos começou a esboçar-se a partir do século XVI, e a partir do século XVIII surge o que se pode chamar de Química “moderna”. O Brasil nunca esteve ausente de nenhuma dessas etapas: tanto nas aldeias indígenas como nos engenhos e fazendas, assim como nos conventos e em quartéis, muito se trabalhou com esses materiais e técnicas.

O tema é discutido em artigo da nova edição da revista Ciência & Cultura: 200 anos de ciência e tecnologia no Brasil. Este número especial da revista, que tem seu lançamento junto com a Reunião Anual da SBPC – que acontece de 24 a 30 de junho em Universidade de Brasília (UnB) – aborda temas importantes desses dois séculos de presença da ciência no Brasil.

O início de atividades mais regulares em Química e seu desenvolvimento no Brasil iniciou-se do século XIX, com a vinda da corte portuguesa para o Brasil, e se desenvolveu com a independência do Brasil. Com o passar do tempo, ocorreram inúmeras mudanças no panorama da química brasileira. Um dos grandes marcos foi a criação da Sociedade Brasileira de Química (SBQ), fundada em 1922 no Rio de Janeiro, que realizou vários congressos e publicou a Revista Brasileira de Chimica, e que foi fechada em 1951. Em 1977, no bojo da 29.ª Reunião Anual da SBPC, surge a atual Sociedade Brasileira de Química (SBQ).

“Muito mudou e muito ainda mudará”, aponta Carlos A. L. Filgueiras, professor do Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em artigo para a revista. “Há cinquenta anos, quando a pós-graduação ainda engatinhava, havia, em contraste, um enorme otimismo e um entusiasmo contagiante. Hoje o ambiente é bem mais sóbrio, mas há uma consciência de que a comunidade saberá responder aos desafios, que são crescentes. Será interessantíssimo verificar, depois do próximo meio século, como a Química brasileira terá reagido aos chamamentos que se vislumbram hoje”, finaliza.

Fonte: http://www.jornaldaciencia.org.br/a-ideia-de-nacionalidade-e-o-desenvolvimento-da-quimica-no-brasil/

Conselho Regional de Química 2ª Região

Minas Gerais

 Rua São Paulo, 409 - 16º Andar - Centro, Belo Horizonte - MG - 30170-902

 (31) 3279-9800 / (31) 3279-9801